Prevalência do diagnóstico citopatológico: uma abordagem sobre as condutas preconizadas pelo Ministério da Saúde

Fabiana Cristina de Mendonça, Gleiciany Oliveira Costa, Andrea Alves Ribeiro

Resumo


O câncer do colo uterino é causado pela infecção persistente por alguns tipos do Papilomavírus humano (HPV). O objetivo foi avaliar a prevalência das anormalidades citológicas bem como abordar as condutas preconizadas pelas Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero. Este estudo foi realizado no Laboratório Clínico da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (LC-PUC Goiás), utilizando as fichas de requisição dos exames citopatológicos entre janeiro de 2016 a dezembro de 2017.  Para análises estatísticas foi criado um banco de dados no programa EXCEL 2013 para o cálculo de prevalências estratificadas por faixa etária entre 14 < 25, 25 < 35, 35 <45, 45 <55, 55 < 65, ≥ 65. Para a associação entre a Zona de Transformação e anormalidades citológicas utilizou-se o programa Epi Info™ versão 7.1.5.2, através do cálculo do Odds Ratio (OR) com Intervalo de confiança (IC) de 95% e valor significativo p < 0,05. Foram analisados 2141 exames citopatológicos satisfatórios, destes 93,9% (2010/2141) casos negativos e 6,1% (131/2141) de anormalidades citológicas. Na faixa etária entre 14 < 25 anos observou 0,4% (9/20) de LSIL, entre 25 < 35 anos observou 0,5% (11/42) ASC-US e 0,5% (11/33) de ASC-H, entre 35 < 45 anos observou 0,2% (5/15) de HSIL, e entre 25 < 35 anos 0,3% (6/20) casos de AGC-SOE/NEO. Houve associação estatisticamente significante entre a representatividade da zona de transformação e anormalidades citológicas (OR: 9,4 IC: 9,5% 3,69 - 26,16 p: 0,000). Conclui-se que o câncer do colo do útero possui grande chance de cura se for diagnosticado precocemente, devendo seguir as Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do câncer do colo do útero evitando a progressão de lesões.

Palavras-chave


Anormalidades citológicas; Câncer do colo do útero; Condutas para neoplasias intraepiteliais cervicais.

Texto completo:

PDF

Referências


INCA, INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. 2016. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do colo do útero. 2ª edição, 2016. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2016.

DOORBAR, J., QUINT, W., BANKS, L., BRAVO, I. G., STOLER, M., BROKER, T. R. & STANLEYG, M. A. 2012. The Biology and Life-Cycle of Human Papillomaviruses. Vaccine, 30:55-70.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (Brasil). Programa Nacional Controle do Câncer do Colo do Útero. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2017.

SOARES, M. C., MISHIMA, S. M., MEINCKE, S. M. K. & SIMINO, G. P. R. 2010. Cervical cancer: characterization of women in a city in the south of BRAZIL. Ribeirão Preto São Paulo, Brasil. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 14(1): 90-96.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). 2013. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de atenção básica - Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Brasília.

KRUGER, E. C. F., CHAN, S. A. C. & RIBEIRO, A. A. 2016. Prevalência de anormalidades nos exames citopatológicos realizados no laboratório de análises clínicas da Pontifícia Universidade Católica de Goiás – LC PUC Goiás. Revista Estudos Vida e Saúde, 43(1): 27-33.

BRASIL. 2012. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Coordenação-Geral de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. Nomeclatura brasileira para laudos citopatológicos cervicais. 3ª ed. Rio de Janeiro.

NOMENCLATURA BRASILEIRA PARA LAUDOS CITOPATOLÓGICOS CERVICAIS. 2015. Acta Cytologica 59:121-132.

RIBEIRO, A. A., COSTA, M. C., ALVES, R. R. F., VILLA, L. L., SADDI, V. A., CARNEIRO, M. A., ZEFERINO, L. C. & RABELO-SANTOS, S. H. 2015. HPV infection and cervical neoplasia: associated risk factors. Infect Agent Cancer, 10(16): 1-17.

CHAN, B. K., MELNIKOW, J., SLEE, C. A., ARELLANES, R. & SAWAYA, G. F. 2009. Posttreatment human papillomavirus testing for recurrent cervical intraepithelial neoplasia: a systematic review. American Journal of Obstetrics Gynecology, 200(4): 1-9.

FUCHS, K., WEITZEN, S., WU, L., PHIPPS, M. G. & BOARDMAN, L. A. 2007. Management of cervical intraepithelial neoplasia 2 in adolescent and young women. Journal of Pediatric Adolescent Gynecology, 20(5): 269-274.

MCALLUM, B., SYKES, P. HH., SADLER, L., MACNAB, H., SIMCOCK, B. J. & MEKHAIL, A. K. 2011. Is the treatment of CIN 2 always necessary in women under 25 years old? American Journal of Obstetrics and Gynecology, 205(5): 1-7.

ARAÚJO, E. S., BARBOSA, F. M., ÁZARA, C. Z. S., FERREIRA, T. X. A. M., TAVARES, S. B. N. & AMARAL, R. G. 2014. Follow-up Evaluation of Women with Abnormal Cytopathological Tests According to the Procedures Recommended by the Ministry of Health of Brazil in Goiania city, State of Goias. Revista Brasileira de Cancerologia, 60(1): 7-13.

ALBUQUERQUE, Z. B. P., MANRIQUE, E. J. C., TAVARES, S. B. N., SOUZA, A. C. S., GUIMARÃES, J. V. & AMARAL, R. B. 2012. Mulheres com atipias, lesões precursoras e invasivas do colo do útero: condutas segundo as recomendações dos 17. Revista Brasileira de Ginecologia Obstetrícia,34(6): 258-63.

BARROS, N. K. S., CARNEIRO, M. A. S., TAVARES, S. B. N., SOUZA, N. L. A., SIQUEIRA, M. L., OLI¬VEIRA, D. F., SAMPAIO, M. C. N. & RABELO-SANTOS, S. H. 2011. Neoplasias intraepiteliais cervicais: faixa etária no momento do diagnóstico citológico. Revista Brasileira de Análises Clínicas, 43:180-182.

COSTA, J., MELO, A. C., DIAS, G. V., CRUZ, L. R., MACIEL, R. S. & MONTEIRO, D. L. M. 2010. Lesões intraepiteliais de baixo grau e atipias de significado indeterminado em células escamosas: conduta em adolescentes. Teresópolis, Rio de Janeiro, Brasil. Femina, 38(6): 307-310.

FRANCO, R., AMARAL, R. G., MONTEMOR, E. B. L., MONTIS, D. M., MORAIS, S. S. & ZEFERINO, L. C. 2006. Fatores associados a resultados falso negativos de exames citopatológicos do colo uterino. Revista brasileira de ginecologia e obstetrícia, 28(8): 479-485.

STOLNICU, S., MUSCA, S., MICU, D., MICU, L., MOLDOVAN, C. & PUSCASIU, L. 2014. Prevalence of abnormal Pap smears in a consecutive and previously unscreened population in Romania. International Journal of Gynecology and Obstetrics,124:156-159.

GAUZA, J. E., POPE, L. Z. B., POSSAMAI, D. S., SALFER, M., SILVA, J. C., SERAPIÃO, C. J. & QUINTANA, S. M. 2010. The magnitude of appropriate cytologic sample in the detection of precedent wounds of the uterine cervical câncer. Arquivos Catarinenses de Medicina, 39(4): 46-50.

DERCHAIN, S., TEIXEIRA, J. C. & ZEFERINO, L. C. 2016. Organized, Population-based Cervical Cancer Screening Program: It Would Be a Good Time for Brazil Now. 1Department of Gynecology and Obstetrics, School of Medicine, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia Obstetrícia, 38:161-163.

FREITAS, R., AUGUSTO, P., CARVASAN, G. A. F., MORAIS, S. S. & ZEFERINO, L. C. 2006. Prevalência das Lesões Neoplásicas do colo de útero: Resultados de Rastreamento Citológico Realizado em Campinas, São Paulo, Brasil. Revista Ciências Médicas, 15:307-314.

BORTOLON, P. C., SILVA, M. A. F., CORRÊA, F. M., DIAS, M. B. K., KNUPP, V. M. A. O., ASSIS, M. & CLARO, I. B. 2012. Avaliação da Qualidade dos Laboratórios de Citopatologia do Colo do Útero no Brasil. Revista Brasileira de Cancerologia, 58:435-444.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/evs.v46i1.6453

Rodapé - Educativa
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EVS | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-781X | Qualis B3

Visitantes - (05/09/2017 - 21/10/2019)
País Usuários
Brasil 51.961
Estados Unidos 1.284
Portugal 818
França 246
Moçambique 238
Angola 171
Reino Unido 61
México 61
Espanha 60

Fonte: Google Analytics.