Analysis of Scientific Production of Medicinal Plants

Rânderson dos Santos Lisboa, Flávia Melo Rodrigues

Resumo


The aim of this article was a study about scientometry on medicinal plants in Brasil. We found 187 indexed articles in SCOPUS between 1947 and 2012. In 2010, 22 articles were found and the Brazilian Journal of Medicinal Plants had the highest number of publications (40%). The major part of the articles was classified as research articles (79%). Boldo and aroeira were the most researched species.

----------------------------------------------------------------------------------

Análise da Produção Científica sobre Plantas Medicinais

O objetivo do trabalho foi realizar um estudo cienciométrico acerca da produção científica sobre plantas medicinais no Brasil. Foram consultados 187 artigos indexados no SCOPUS entre 1947 e 2012. Em 2010 foram encontrados 22 artigos, a Revista Brasileira de Plantas Medicinais teve o maior número de publicações (40%). A grande parte dos artigos foi tipo pesquisa (79%). O boldo e a aroeira foram as espécies mais pesquisadas.

----------------------------------------------------------------------------------

■ Text in Portuguese

Palavras-chave


Scientometrics; Medicinal plants; Scientific production; Cienciometria. Plantas medicinais. Produção científica.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, L.C.G.G; BARROS, R.F.M. 2012. Plantas medicinais cultivadas em quintais de comunidades rurais no domínio do cerrado piauiense (Município de Demerval Lobão, Piauí, Brasil). Revista Brasileira Plantas Medicinais 14: 419-434.

ARAÚJO, C. F; GUERRA A. N. M. N.; MARQUES J. V. A. D.; PESSOA M. F.; SOARES G. J. C. 2007. Medicamentos provenientes de farmácias fitoterapêuticas usados em municípios da região oeste do estado do Rio Grande do Norte. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável 2: 151-157.

AZEVEDO, S. K. S.; SILVA, I. M. 2006. Plantas medicinais e de uso religioso comercializadas em mercados e feiras livres no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Acta Botânica Brasílica 20: 185-194.

BAGATINI, M. D.; SILVA, A. C. F.; TEDESCO, S. B. 2007. Uso do sistema teste de Allium cepa como bioindicador de genotoxicidade de infusões de plantas medicinais. Revista Brasileira Farmacognosia 17: 444-447.

BORBA, A. M.; MACEDO, M. 2006. Plantas medicinais usadas para a saúde bucal pela comunidade do bairro Santa Cruz, Chapada dos Guimarães, MT, Brasil. Acta Botânica Brasílica 20: 771-782.

BRITO, M. R.; SENNA-VALLE, L. 2011. Plantas medicinais utilizadas na comunidade caiçara da Praia do Sono, Paraty, Rio de Janeiro, Brasil. Acta Botânica Brasilica 25: 363-372.

BRASIL, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2007. Inventários da Biodiversidade do Bioma Cerrado: Biogeografia de Plantas. Acessado em 19/05/2013. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=295776

BRASIL, REVISTA BRASILEIRA DE PLANTAS MEDICINAIS. 2013. Acesso em 13/05/2013. Disponível em http://www.unesp.br/prope/revcientifica/PlantasMedicinais/Historico.php

BRASIL, SCOPUS. 2017. Banco de dados Scopus. Acesso em 13/04/2017. Disponível em https://www.elsevier.com/americalatina/pt-br/scopus

BRASILEIRO, B. G.; PIZZIOLO V. R.; MATOS, D. S.; GERMANO A. M.; JAMAL, C. M. 2008. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no “Programa de Saúde da Família”, Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas 44: 629-636.

CAVALCANTI, L. R. M. T.; FAGUNDES, M. E. M.; RAMACCIOTTI R. E. L. 2005. Distribuição regional dos fluxos de recursos federais para a ciência e tecnologia. Revista Parcerias Estratégicas 10: 59-78.

CECHINEL FILHO, V.; YUNES, R. A. 1998. Estratégias para a obtenção de compostos farmacologicamente ativos a partir de plantas medicinais: Conceitos sobre modificação estrutural para a otimização da atividade. Química Nova 21: 99-105.

GUARIM NETO, G.; MORAIS, R. G. 2003. Recursos medicinais de espécies do Cerrado de Mato Grosso: um estudo bibliográfico. Acta Botânica Brasílica 17: 561-584.

HAMILTON, A.C. SHENGJI, P.; KESSY, J.; KHAN, A.A.; LAGOS-WITTE, S.; SHINWARI, Z.K. 2003. The purposes and teaching of Applied Ethnobotany. Godalming, People and Plants Working Paper 11: 1-71.

HERCULANO, R. D.; NORBERTO, A. M. Q. 2012. Análise da produtividade científica dos docentes da Universidade Estadual Paulista, campus de Marília/SP. Perspectivas em Ciência da Informação 17: 57-70.

KLINK, C.A.; MACHADO, R. 2005. Conservation of the Brazilian Cerrado. Conservation Biology 19: 707-713.

MACIAS-CHAPULA, C. A. 1998. O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação 27: 134-140.

MARQUES, M. B. 2000. Patentes farmacêuticas e acessibilidade aos medicamentos no Brasil. História Ciência Saúde Manguinhos 7: 07-21.

MENDONÇA, R. C.; FELFILI, J. M.; WALTER, B. M. T.; SILVA-JUNIOR, M. C.; REZENDE, A. V.; FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E. E.; FAGG, C. W. 2008. Flora Vascular do Cerrado: checklist com 12.356 espécies. In: ALMEIDA, S. M.; SANO, S. P.; RIBEIRO, J. F. (Ed.). Cerrado: Ecologia e Flora. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica 2: 422-442.

MESQUITA, R; BRAMBILLA, S.; LAIPELT, R. C; MAIA, M. F.; VANZ, S.; CAREGNATO, S. E. 2006. Elaboração e aplicação de instrumentos para avaliação da base de dados Scopus. Perspectiva em Ciência da Informação 11: 187-205.

ROTHER, E. T. 2007. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem 20: v-vi.

SANTOS, M. M.; NUNES, M. G. S.; MARTINS, R. D. 2012. Uso empírico de plantas medicinais para tratamento de diabetes, Revista Brasileira de Plantas Medicinais 14: 327-334.

SOUSA, F. C. F.; MELO, C. T. V.; CITÓ, M. C. O.; FELIX, F. H. C.; VASCONCELOS, S. M. M.; FONTELES, M. M. F.; BARBOSA FILHO, J. M.; VIANA, G. S. B. 2008. Plantas medicinais e seus constituintes bioativos: uma revisão da bioatividade e potenciais benefícios nos distúrbios da ansiedade em modelos animais. Revista Brasileira de Farmacognosia 18: 642-654.

SOUZA, C. D.; FELFILI, J. M. 2006. Uso de plantas medicinais na região de Alto Paraíso de Goiás, GO, Brasil. Acta Botânica Brasilica 20: 135-142.

VALE, N. B. 2002. A farmacobotânica, ainda tem lugar na moderna anestesiologia? Revista Brasileira de Anestesiologia 52: 368-80.

VANTI, N. A. P. 2002. Da bibliometria à pedometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação 31: 369-379.

VEIGA JUNIOR, V. F.; PINTO, A. C.; MACIEL, M. A. M. 2005. Plantas medicinais: cura segura? Química Nova 28: 519-528.

VEIGA JUNIOR, V. F. 2008. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Revista Brasileira de Farmacognosia 18: 308-313.

VENDRUSCOLO, G.S. & MENTZ, L.A. 2006. Estudo da concordância das citações de uso e importância das espécies e famílias utilizadas como medicinais pela comunidade do bairro Ponta Grossa, Porto Alegre, RS, Brasil. Acta Botânica Brasilica 20: 367-382.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/evs.v0i0.5773

Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


evs | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-781X | Qualis B3

Flag Counter