Capacidade Funcional e Qualidade de Vida em Idosas Praticantes de Exercícios Aquáticos

Suely Maria Satoko Moriya Inumaru, Elizabeth Rodrigues de Morais, Marcelo Silva Fantinati, Adriana Márcia Monteiro Fantinati

Resumo


À medida que a idade cronológica aumenta, as pessoas se tornam menos ativas, reduzindo assim suas capacidades funcionais (CF). Para os idosos, a CF representa um potencial de decisão e atuação em suas vidas, uma vez que a falta de autonomia e independência gera uma grande vulnerabilidade deste indivíduo comprometendo o bem-estar e a qualidade de vida (QV). O objetivo deste estudo foi avaliar o programa de exercícios aquáticos na qualidade de vida e capacidade funcional das idosas da UNATI PUC-GO. Este estudo caracteriza-se por ser analítico quase experimental longitudinal e quantitativo, no qual a população inicial foi composta de 30 idosas, finalizando 16 dentro dos critérios de inclusão. A avaliação da QV foi realizada por meio do questionário WHOQOL-Bref e para avaliação da capacidade funcional (CF) foi utilizado o teste de caminhada de seis minutos (TC6’). As coletas de dados foram realizadas na Clínica Escola Vida da PUC – GO por um período de três meses. As comparações pré e pós-intervenção foram realizadas pelo teste T-pareado. Estatística realizada no SPSS versão 20.0 adotando significância com valor de p≤0,05 e a normalidade dos dados foi testada por meio do teste de Shapiro-Wilk. Foi encontrada diferença estatística significante na comparação entre o pré e pós do TC6’ (p< 0,001) e na QV nos domínios psicológico (p 0,044), ambiental (p 0,038) e geral (p 0,011).


As chronological age increases, people become less active, thus reducing their functional abilities (CF). For the elderly, CF represents a potential decision and action in their lives, since the lack of autonomy and independence generates a great vulnerability of this individual compromising well-being and quality of life (QoL). The objective of this study was to evaluate the aquatic exercise program in the quality of life and functional capacity of the elderly of UNATI PUC-GO. This study is characterized by being almost experimental longitudinal and quantitative, in which the initial population was composed of 30 elderly women, finishing 16 within the inclusion criteria. The QOL assessment was performed using the WHOQOL-Bref questionnaire and the six-minute walk test (6MWT) was used to assess functional capacity (FC). Data collection was performed at the Life School Clinic of PUC - GO for a period of three months. Pre- and post-intervention comparisons were performed by the paired T-test. Statistic performed in SPSS version 20.0 adopting significance with value of p≤0.05 and the normality of the data was tested using the Shapiro-Wilk test. A significant statistical difference was found in the comparison between pre and post TC6 '(p <0.001) and QOL in the psychological (p 0.044), environmental (p 0,038) and general (p 0,011) domains.

Palavras-chave


Qualidade de vida; Idoso; Exercícios Aquáticos; Capacidade Funcional; Quality of life; Elderly; Water Exercises; Functional Capacity

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTON C. L., ROTHMAN C. R. C., PINTO S. S., COERTJENS M., & KRUEL L. F. M. 2012 Consumo de oxigênio e índice de esforço percebido em diferentes ritmos de execução na hidroginástica. Motriz: Revista Educação Física. 18: 423-431.

ALMEIDA M. A. B., GUTIERREZ G. L., & MARQUES R. 2012. Qualidade de vida definição, conceitos e interfaces com outras áreas de pesquisa. Escola de Artes, Ciências e Humanidades - EACH/USP. 13-50.

ANDRADE T. M., ALVES E. L. M., FIGUEIREDO, MOURA M. E. B., & ALVES C. M. S. 2015. Avaliação da capacidade funcional de idosos por meio do teste de caminhada de seis minutos. Revista Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 7: 2042-2050.

BARBOSA B. R., ALMEIDA J. M., BARBOSA M. R., & BARBOSA L. A. R. R. 2014. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Ciência e saúde coletiva. 19: 3317-3325.

BÊTA F. C. O., DIAS I. B. F., BROWN A. F., ARAUJO C. O. & JÚNIOR R. F. S. 2016. Comparação dos efeitos do treinamento resistido e da hidroginástica na autonomia de indivíduos idosos. Revista brasileira de prescrição e fisiologia do exercício. 10: 220-224.

CAMPANHA-VERSIANI L., SILVEIRA E. C. B. R., PIMENTA M. C., ALVARENGA S. G., PARENTONI A. N., SAMORA G. A. R., & FILHO I. T. C. 2010. Influência da circunferência abdominal sobre o desempenho funcional de idosas. Fisioterapia e pesquisa. 17: 327-331.

CIPRIANI N. C. S., MEURER S. T., BENEDETTI T. R. B., & LOPES M. A. 2010. Aptidão funcional de idosas praticantes de atividades físicas. Revista brasileira cineantropom desempenho humano. 12: 106-111.

COELHO C. F., & BURINI R. C. 2009. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Revista de Nutrição. 22: 937-946.

COSTA S. S., CARVALHO R. G. S., & GOMES L. E. 2016. Efeito de um projeto de extensão de hidroginástica em capacidades físicas e em indicadores antropométricos. Revista brasileira Ciência e Movimento. 24: 110-118.

FHON J. R. S., WEHBE S. C. C. F., VENDRUSCOLO T. R. P., STACKFLETH R., MARQUES S., & RODRIGUES R. A. P. 2012. Quedas em idosos e sua relação com a capacidade funcional. Revista Latino-Americana Enfermagem. 20: 1-8.

GONÇALVES, K. C., STREIT, I. A., MEDEIROS, P. A., SANTOS, P. M., & MAZO, G. Z. 2014. Comparação entre a percepção da qualidade de vida e o nível de aptidão física de idosos praticantes de atividades aquáticas. Revista Brasileira de Ciência e Saúde. 12: 35-43.

IBGE. 2010. População brasileira envelhece em ritmo acelerado. Acesso em 20/05/2016. Disponível em http://www.ibge.gov.br

IBGE. 2014. Censo demográfico. Acesso em 20/05/2016. Disponível em: http:/www.censo2014.ibge.gov.br

MIRANDA J. E. 2014. Efeitos da hidroginástica sobre o aumento da força de membros inferiores em idosas. Revista brasileira de prescrição e fisiologia do exercício. 8: 628-634.

MOREIRA R. M., TEIXEIRA R. M., & NOVAIS K. O. 2014. Contribuições da atividade física na promoção da saúde, autonomia e independência de idosos. Revista Kairós Gerontologia. 17: 201-217.

MOTTA L. R. S., SEERO A. R., MACHADO E. C., MELLO N. F., FILIPPIN N. T., GOBBATO R. C., & VENDRUSCULO A. P. 2015. Avaliação do equilíbrio e do condicionamento cardiorrespiratório de participantes do grupo de atividades hidrocinesioterapêuticas do centro universitário franciscano em Santa Maria –RS. Estudo Interdisciplinar Envelhecimento. 20: 745-754.

NICODEMO D., & GODOI M. P. 2010. Juventude dos anos 60-70 e envelhecimento: estudo de casos sobre feminização e direitos de mulheres idosas. Revista Ciência Extensão. 6: 40-53.

OLIVEIRA D. V., BERTOLINI S. M. M. G., & JÚNIOR J. M. 2014 Qualidade de vida de idosas praticantes de diferentes modalidades de exercício físico. ConScientiae Saúde. 13: 187-195.

POMPERMAYER M. G., & GONÇALVES A. K. 2011. Relação entre capacidades motoras de idosas praticantes de hidroginástica e alongamento. Estudo interdisciplinar envelhecimento. 16: 473-484.

PUHAN M. A., CHANDRA D., MOSENIFAR Z., RIES A., MAKE B. & HANSEL N.N. 2011. The minimal important difference of exercise tests in severe COPD. European Respiratory Journal. 37: 784-90.

SANTOS P. M., SOUZA B. C., MARINHO A., & MAZO G. Z. 2013. Percepção de qualidade de vida entre idosos jovens e longevos praticantes de hidroginástica. Revista brasileira de Qualidade de Vida. 5: 01-11.

SANTOS R. K. F., & VITAL A. V. D. 2014. Perfil nutricional de idosos – relação obesidade e circunferência da cintura após sessenta anos. Revista Saúde.com. 10: 254-262

SILVA R. S., JÚNIOR J. R. A. N., VIEIRA L. F., & OLIVEIRA D. V. 2016. Qualidade de vida e capacidade funcional de idosas praticantes de hidroginástica no município de Sarandi/PR. Revista brasileira de Qualidade de Vida. 8: 28-41.

SOCIETY, AMERICAN THORACIC. 2002. ATS statement: Guidelines for the six-minute walk test. American journal of respiratory and critical care medicine. 111-117.

SOVA, R. 1998. Hidroginástica na Terceira Idade. Manole, São Paulo.

TAFARELLO R., JÚNIOR J. R. A. N., & OLIVEIRA D. V. 2015 Qualidade de vida e autoestima de mulheres praticantes de musculação e ginástica em academia. Cinergis. 16.

TEIXEIRA C. S., PEREIRA É. F., & ROSSI A. G. 2007. A hidroginástica como meio para a manutenção da qualidade de vida e saúde do idoso. Acta Fisiátrica. 14: 226-232.

UNFPA e HelpAge International. 2012. Envelhecimento no século XXI: celebração e desafio – Resumo executivo. Acesso em 12/05/2016. Disponível em https://www.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/Portuguese-Exec-Summary_0.pdf

VERAS R. P., CALDAS C. P., CORDEIRO H. A., MOTTA L. B., & LIMA K. C. 2013. Desenvolvimento de uma linha de cuidados para o idoso: hierarquização da atenção baseada na capacidade funcional. Revista brasileira geriatria gerontologia. 16: 385-392.

WHO, WORLD HEALTH ORGANIZATION. 1998 Obesity: preventing and managing the global epidemic. Acesso em 10/02/2016. Disponível em https://www.cambridge.org/core/journals/psychological-medicine/article/development-of-the-world-health-organization-whoqol-bref-quality-of-life-assessment/0F50596B33A1ABD59A6605C44A6A8F30




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/evs.v45i1.5771

 

Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


evs | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-781X | Qualis B3

Flag Counter