Proteína P53 e o Câncer: controvérsias e esperanças

Jalsi Tacon Arruda, Bárbara Mariotto Bordin, Lana Cristina Bueno Miranda, Débora Lemos Maldi Maia, Katia Karina Verolli de Oliveira Moura

Resumo


Um importante instrumento no estudo do câncer são os recentes avanços da biologia molecular, que trouxe como um de seus principais elementos o gene supressor de tumor p53, ao qual é atribuido um papel significativo na carcinogênese, por possuir como principal função a preservação da integridade do genoma. A interação da p53 com a proteína viral E6 do HPV (Papiloma Vírus Humano) resulta na sua rápida degradação e perda da função. A relação entre a proteína p53 e a carcinogênese tem sido amplamente comprovada através do elevado índice de mutações encontradas em tumores malignos de diferentes tecidos. O objetivo desta revisão é apresentar uma análise dos conhecimentos atuais sobre o papel do gene p53 e sua relação com o câncer, para uma possível utilização clínica como elemento potencializador dos efeitos da terapia adjuvante com valor prognóstico.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/est.v35i1.564

Rodapé - Educativa
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EVS | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-781X | Qualis B3

Visitantes - (05/09/2017 - 21/10/2019)
País Usuários
Brasil 51.961
Estados Unidos 1.284
Portugal 818
França 246
Moçambique 238
Angola 171
Reino Unido 61
México 61
Espanha 60

Fonte: Google Analytics.