Exposure to Biological Material Between Workers of the Health Area and Support Team of a Reference Institution of the State of Pará

Valquiria de Jesus Silva, Caroline Macedo de Camargo, Liwcy Keller de Oliveira Lopes Lima, Nayza Dourado Arantes

Resumo


The present study had as objective to evaluate the accidents with exposure to Biological Material (BM) among workers who work directly and indirectly in health care in the municipality of Redenção - PA. This is an epidemiological, retrospective and descriptive study, with a quantitative approach and analysis, developed in a public hospital which all records of work accidents with BM of the injured healthcare works from professionals between the years 2007 to 2014 were analyzed. The data were collected by filling out a standardized form and analyzed by descriptive statistical was performed by simple average and the data were presented in table format. A total of 257 accidents with BM exposure were reported engage different professional categories, and the largest accident record was from nursing technician’s category with 173 (67.3%). The professionals from 18 to 29 years presented highest frequency of accidents occurred with 109 (42.4%), and female sex was predominant with 224 (87.2%). The most prevalent perforating material was needle 175 (68.1%). The data indicate that most of the professionals were using some type of PPE at the time of the accident 244 (94.9%), glove 221 (86%) being the most cited. Most percutaneous exposures were washed with soap and water 119 (46.3%) and the identification of the source patient were identified in 222 (86.4%) accidents, but in the records the serological status of those patients were as reported as unknown. Therefore, negligence and poor knowledge about the importance of these data were carefully identified, leaving gaps in the records of that important information which could describe the real situation of the accidents. It is concluded that it is of utmost importance to review the form of registration and to train the professionals who execute it in order to raise awareness of the importance of complete and reliable information.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------

Exposição a Material Biológico entre Trabalhadores da Área da Saúde e Equipe de Apoio de uma Instituição de Referência do Estado do Pará

O presente estudo teve como objetivo avaliar os acidentes com exposição a Material Biológico (MB) entre trabalhadores que atuam direta e indiretamente na assistência à saúde no município de Redenção-PA. Trata-se de um estudo epidemiológico, retrospectivo e descritivo, com abordagem e análise quantitativa, desenvolvido em um hospital de referência. Foram analisadas todas as fichas de registro dos acidentes de trabalho com MB dos profissionais acidentados entre os anos de 2007 a 2014. Os dados foram coletados por meio do preenchimento de um formulário padronizado e analisados utilizando-se a estatística descritiva por meio de porcentagens e apresentados no formato de tabelas. Foram notificados 257 casos de acidentes com exposição a MB, entre diversas categorias profissionais, sendo a categoria de técnicos de enfermagem com maior registro de acidentes 173 (67,3%). A maior frequência de acidentes ocorreu entre profissionais com idade de 18 a 29 anos 109 (42,4%), com predominância do sexo feminino 224 (87,2%). O material perfurocortante de maior prevalência foi à agulha 175 (68,1%). Os dados indicam que a maioria dos profissionais estaria utilizando algum tipo de EPI no momento do acidente 244 (94,9%), sendo a luva 221 (86%) o mais citado. Na maioria das exposições percutâneas foram realizadas lavagem com água e sabão 119 (46,3%). E a maioria das ocorrências o paciente-fonte foi identificado 222 (86,4%), porém, nos registros o estado sorológico do paciente-fonte constava como desconhecidos. Portanto, observou-se negligência e conhecimento deficiente sobre a importância destes dados serem minuciosamente coletados, deixando lacunas nos registros de informações importantes para a identificação da real situação dos acidentes. Conclui-se que é de suma importância rever a forma de registro e capacitar os profissionais que a executam, a fim de conscientizá-los sobre a importância de informações completas e fidedignas.


--------------------------------------------------------------------------------------------------------

■ Text in Portuguese

Palavras-chave


Occupational Exposure; Exposure to Biological Agents; Occupational Accidents Registry; Exposição Ocupacional; Exposição a Agentes Biológicos; Notificação de Acidentes de Trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, D.X. 2012. Acidentes ocupacionais com material biológico entre a equipe de enfermagem no Estado de Goiás. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Goiás, Goiânia. 113 p.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2001. Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Acesso em 05/03/2014. Disponível em: http://www.opas.org.br/sistema/arquivos/Saudedotrabalhador.pdf.

BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. 2005. Portaria n° 485, de 11 de novembro de 2005 – Aprova a norma regulamentadora n° 32 (segurança e saúde no trabalho em estabelecimento de saúde). Ministério do Trabalho e Emprego, Brasília. 29 p.

TARANTOLA, A.; ABITEBOUL, D. & RACHLINE, A. 2006. Infection risks following accidental exposure to blood or body fluids in health care workers: a review of pathogens transmitted in published cases. American Journal of Infection Control. 34(6):367-375.

MICHELIN, A. & HENDERSON, D.K. Infection control guidelines for prevention of health careassociated transmission of hepatitis B and C viruses. Clinics in Liver Disease 14(1):119-36, 2010.

RAPPARINI, C.; VITÓRIA, M. A. V. & LARA, L. T. R. 2004. Recomendações para o atendimento e acompanhamento de exposição a material biológico: HIV e Hepatites B e C. Acesso em 05/03/2014. Disponível em: http://www.crorj.org.br/biossegurança/manual_acidentes.pdf.

CDC. 2001. Guidelines for the Management of Occupational Exposure to HBV, HCV, and HIV and Recommendations for post exposure prophylaxis. Morbidity and Mortality Weekly Report 50(11):1-42. Acesso em 05/03/2014. Disponível em: http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr5011a1.html.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2006. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Serviços Odontológicos: Prevenção e Controle de Riscos. Ministério da Saúde, Brasília.

CDC. Workbook for designing, implementing, and evaluating a sharps injury prevention program. 2008. Acesso em 05/03/2014. Disponível em: http://www.cdc.gov/sharpssafety/pdf/sharpsworkbook_2008.pdf.

RAPPARINI, C. & REINHARDT, E. L. 2010. Manual de implementação: programa de prevenção de acidentes com materiais perfurocortantes em serviços de saúde. Acesso em 05/03/2014. Disponível em: .

MARTINS, M. D. S.; SILVA, N. A. P. & CORREIA, T. I. G. 2012. Accidents at work and its impact on a hospital in Northern Portugal. Revista Latino Americana de Enfermagem 20(2):217-225.

MARZIALE, M. H.; ZAPPAROLI, A. S.; FELLIL, V. E. & ANABUKI, M. H. 2010. Rede de Prevenção de Acidentes de Trabalho: uma estratégia de ensino a distância. Revista Brasileira de Enfermagem 63(2):250-256.

SILVA, J. A.; PAULA, V. S.; ALMEIDA, A. J. & VILLAR, L. M. 2009. Investigação de acidentes biológicos entre profissionais de saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 13(3):508-516.

LIMA, L. M.; OLIVEIRA, C. C. & RODRIGUES, K. M. R. 2011. Exposição ocupacional por material biológico no hospital santa casa de pelotas - 2004 a 2008. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 15(1):96-102.

VIEIRA, M.; PADILHA, M. I. & PINHEIRO, R. D. C. 2011. Análise dos acidentes com material biológico em trabalhadores da saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem 19(2):1-8.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2004. Portaria nº 777/GM em 28 de abril de 2004 - Dispõe sobre os procedimentos técnicos para a notificação compulsória de agravos à saúde do trabalhador em rede de serviços sentinela específica, no Sistema Único de Saúde -SUS. Ministério da Saúde, Brasília.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2011. Portaria n°104, de 25 de janeiro de 2011 – Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI 2005), a relação de doença, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelecer fluxo, critério, responsabilidade e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. Ministério da Saúde, Brasília.

ESTADO DO PARÁ, SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARÁ- SES/PA. 2010. Portaria nº 548 de 28 de Abril de 2010. Dispõe sobre a notificação compulsória de agravos relacionados ao trabalho e a implantação da Rede Sentinela de Notificação de Agravos. Relacionados à Saúde do Trabalhador no âmbito do Estado do Pará. Belém (Pará).

LIMA, L.K.O.L. 2012. Registros de acidentes com material biológico na pratica odontológica no Estado de Goiás, 1996-2010. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Goiás. 137 p.

VELASCO, A. R.; LIMA, F. B.; ALVES, E. A.; LIMA, A. B. G.; SANTOS, P. S. S. R. & PASSOS, J. P. 2014. Ocorrência de acidentes de trabalho em saúde com exposição a material biológico. Revista Enfermagem Profissional 1(1):37-49.

CHIODI, M. B.; MARZIALE, M. H. P.; MONDADORI, R. M. & ROBAZZI, M. L. C. C. 2010. Acidentes registrados no Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de Ribeirão Preto, São Paulo. Revista Gaúcha de Enfermagem 31(2):211-217.

NAUDERER, T. M. & LIMA, M. A. D. S. 2005. Imagem da enfermeira: revisão de literatura. Revista Brasileira de Enfermagem 58(1):74-77.

MACHADO, M. R. M. & MACHADO, F. A. 2011. Acidentes com material biológico em trabalhadores de enfermagem do Hospital Geral de Palmas (TO). Revista Brasileira de Saúde Ocupacional 36(124):274-281.

GUSMÃO, G. S., OLIVEIRA, A. C. & GAMA, C. 2013. Acidente de trabalho com material biológico: análise da ocorrência e do registro. Cogitare Enfermagem 18(3):558-564.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2008. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Recomendações para terapia antirretroviral em adultos infectados pelo HIV- 2008. Suplemento III - Tratamento e prevenção. Ministério da Saúde, Brasília.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2015. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Profilaxia Antirretroviral Pós-Exposição de Risco à Infecção pelo HIV 2015. Ministério da Saúde, Brasília.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/evs.v0i0.5606

Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


evs | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-781X | Qualis B3

Flag Counter