Studies of Context Variables in a Verbal Episode

Ueliton Santos Gomes, Ítalo Rodrigues Freitas Mendes, Sherman Calixto Prado, Antônio Carlos Godinho dos Santos, Elisa Tavares Sanábio Heck, Cristiano Coelho, Lorismario Ernesto Simonassi

Resumo


The goal of the present work was to investigate the relations between the independent variables, which in this study were verbal (instructions) and non-verbal (figures and images of objects) contexts and their effects in the dependent variable, which was the descriptive behavior of OBJECTS and ACTIONS in a total verbal episode. An experiment was conducted as a verify: 1) if verbal and non-verbal contexts exert control over verbal responses in a total verbal episode. This experiment was conducted with ten (10) participants with ages varying from 19 to 25 yeas. Each participant was exposed to 4 different experimental conditions (CONDITIONS 1, 2, 3 and 4) in a single-case design. During the CONDITIONS 1, 2 and 3 the following instructions was presented: “QUEIME LOGO SUA PONTA AÍ”, being that in the CONDITIONS 2 and 3 the following non-verbal stimuli were presented: MATCHES and a STRING (figures and images) and in the CONDITION 3: MATCHES and a CANDLE (figures and images). In the CONDITION 4 the instruction presented was “QUEIME LOGO ESSA PONTA AÍ. CALMA SENHOR, SENÃO ACABO ESTRAGANDO A ROUPA”. In each condition the participant was asked to write his answers. A categorization of the textual responses as referent to OBJECT or ACTION was used for analysis. We verified a considerable frequency of textual verbal responses that made reference to the related objects (figures/images) and actions. We concluded that both the verbal (instruction) and non-verbal (objects) contexts, when altered, controlled changes in the participants’ responses across the experimental conditions in a systematic way.
--------------------------------------------------------------------------------

Estudos de variáveis de contexto em um episódio verbal

O presente trabalho teve como objetivo investigar as relações entre as variáveis independentes, que neste estudo foram os contextos verbais (instrução) e não verbais (Figura/imagem de objeto) e seu efeito na variável dependente, que foram os comportamentos que descreviam respostas referentes à OBJETOS e a AÇÃO em um episódio verbal total. Foi realizado um experimento para verificar: 1) se contextos verbais (instruções) e não verbais (objetos) exercem controle sobre respostas verbais em um episódio verbal total. Este experimento foi realizado com dez (10) participantes com idades entre 19 a 25 anos. Cada participante foi submetido a 4 condições experimentais diferentes (CONDIÇÃO 1, 2, 3 e 4) em um delineamento de sujeito como seu próprio controle. Nas CONDIÇÕES 1, 2 e 3 foi apresentada a seguinte instrução “QUEIME LOGO ESTA PONTA AÍ”, sendo que nas CONDIÇÕES 2 e 3 foram apresentados os seguintes estímulos não verbais CONDIÇÃO 2: FÓSFORO e BARBANTE (Figuras/imagens) e na CONDIÇÃO 3: FÓSFORO e VELA (Figuras/imagens). E na CONDIÇÃO 4 foi apresentado a instrução “QUEIME LOGO ESTA PONTA AÍ. CALMA SENHOR, SENÃO ACABO ESTRAGANDO A ROUPA”. Em cada condição o participante foi solicitado a responder suas respostas por escrito. A análise foi realizada com a categorização das respostas textuais referentes a OBJETO e a AÇÃO. Verificou-se que uma frequência considerável de respostas verbais textuais que faziam referencia aos objetos relacionados (Figuras/imagens) a ações. Concluiu-se que tanto o contexto verbal (instrução) quanto o contexto não-verbal (objetos) quando alterados, também alteravam sistematicamente o responder dos participantes nas diversas condições experimentais.

--------------------------------------------------------------------------------

■ Text in Portuguese

Palavras-chave


Context; Verbal episode; Verbal behavior; Behavior analysis; Experimental psychology; Contexto; Episódio verbal; Comportamento verbal; Análise do comportamento; Psicologia experimental

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, C. M., HAWKINS, R. P., FREEMAN, K. A., SCOTTI, J. R. 2000. Eventos privados: Eles pertencem a uma ciência do comportamento humano? Tradução Prof. Lorismario E. Simonassi. The behavior analyst, 23, 1-10.

BARROS, R. S. 2003. Uma introdução ao comportamento verbal. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 5 (1), 73-82.

BAUM, W. M. 2006. Compreender o Behaviorismo. (Tradução de M. T. Araújo Silva, M. A. Matos, G.Y. Tomanari & E. Z. Tourinho). Porto Alegre: ArtMed.

CARRARA, K., GONZALEZ, M. H. 1996. Contextualismo e mecanismo: implicações conceituais para uma análise da Análise do Comportamento. Didática, São Paulo - SP, v. 31, 199-217.

CARRARA, K. 2004. Causalidade, relações funcionais e contextualismo: Algumas indagações a partir do Behaviorismo Radical. Interações, IX, 29-54.

CATANIA, A. C. 1999. Aprendizagem: Comportamento, Linguagem e Cognição. D. G. Souza, Org. Porto Alegre: Ed. ArtMed.

FIDALGO, A. P., BANACO, R. A. 2014. O estudo do comportamento verbal no Brasil. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 30 (3), 347-355. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722014000300012

MACHADO, D. J. C., SIMONASSI, L. E. 2014. Comportamento Verbal: análises das interações falantes e ouvintes. 1. ed. Novas Edições Acadêmicas, v. 1. 132p.

MALERBI, F. E. K., MATOS, M. A. 1992. A análise do comportamento verbal e a aquisição de repertórios autodescritivos de eventos privados. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 8, n. 3, 407-421.

MATOS, M. A. 1997. Introspecção: Método ou objeto de estudo para a análise do comportamento. Em Banaco, R. A. (orgs) Sobre comportamento e cognição, Vol. 01., Santo André: ARBytes.

MATOS, M. A. 1999. Análise funcional do comportamento. Estudos de Psicologia (Campinas), 16 (3), 8-18. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X1999000300002

PASSOS, M. L. R. F. 2003. A análise funcional do comportamento verbal em Verbal Behavior (1957) de B. F. Skinner. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 5 (2), 195-213.

PAULA, L. N., FERREIRA, L. M. 2016. Influência do contexto sobre o comportamento de escrever. Monografia de graduação não publicada, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia.

PETERSON, N. 1978. An Introduction to Verbal Behavior. Behavior Associates. Inc. New York.

SÉRIO, T. M. A. P. 2005. O behaviorismo radical e a psicologia como ciência. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 7 (2), 247-262.

SIMONASSI, L. E. 2015. A não necessidade do uso do termo/conceito interpretação em Análise do Comportamento. Divulgação, Debate e Análise do Comportamento. Acesso em 15/11/2016. Disponível em < http://media.wix.com/ugd/9f051c_22702efe04c7414592c2ff5266672eb9.pdf>

SIMONASSI, L. E. 1997. Aquisição de consciência como condição de melhora no desempenho? Em BANACO, R. C. (orgs). Sobre comportamento e cognição: aspectos teóricos, metodológicos e de formação em análise do comportamento e terapia cognitiva. Vol. 01 (pp. 282-288). São Paulo: ARBytes.

SIMONASSI, L. E.,CAMESCHI, C. E. 2003. O episódio verbal e a análise de comportamentos verbais privados. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e cognitiva, 5, 105-119.

SIMONASSI, L. E, TOURINHO, E. Z., SILVA, A. V. 2001. Comportamento privado: acessibilidade e relação com comportamento público. Psicologia: Reflexão e Crítica, 14(1), 133-142. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722001000100011

SIMONASSI, L. E., NALINI, L. E. G., BARRETO, M. Q.; MOTA, H. CONTEÚDO INSTRUCIONAL. 1998. Estudos (Goiânia), UCG, v. 25, n.1/2, p. 71-79.

SIMONASSI, L. E, TIZO, M., GOMES, U. S., ALVARENGA, L. F. C. 2010. Contexto como determinante de comportamentos verbais públicos. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 12 (1-2), 80-91.

SKINNER, B. F. 1953/1967. Science and human behavior. New York: MacMillan. Tradução de J. C. Todorov e R. Azzi, “Ciência e comportamento humano”. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

SKINNER, B. F. 1957/1978. Tradução de M. P. Villalobos – Comportamento Verbal. São Paulo: Cultrix.

SKINNER, B.F. 1980. Contingências do reforço: uma análise teórica. São Paulo: Abril Cultural. (Coleção “Os Pensadores”).

SKINNER, B. F. 2007. Seleção por consequências. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 9(1), 129-137. Recuperado em 18 de novembro de 2016, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452007000100010&lng=pt&tlng=pt.

SKINNER, B. F. 1974/2006. Sobre o behaviorismo. Ed. Cultrix. São Paulo, SP.

SMITH, N. W. 2007. Events and Construtcs. The Psychological Record, 57, 169-186.

TODOROV, J. C.; HENRIQUES, M. B. 2013. O que é e o que pode vir a ser comportamento. Revista Brasileira de Análise do Comportamento, vol. 9, nº. 1, 74-78.

TODOROV, J. C. 2007. A Psicologia como o estudo de interações. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23 (spe), 57-61. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722007000500011

TODOROV, J. C. 1991. O conceito de contingência na psicologia experimental. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 7, 59-70.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/evs.v0i0.5579

 

Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


evs | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-781X | Qualis B3

Flag Counter