Prevalência de Infecções Causadas por Bactérias Gram-negativas Produtoras de Carbapenemase em um Hospital Terciário de Goiânia-Goiás

Nágila Martins Cardoso de Paula, Tatiane Luiza da Costa

Resumo


As Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) são aquelas adquiridas durante a prestação dos cuidados de saúde. Considera-se IRAS o conjunto de sinais clínicos associados a evidência laboratorial e microbiológica após as primeiras 48 horas de internação do indivíduo na unidade hospitalar. No Brasil, em razão da ausência de sistematização de informações, as estimativas relacionadas às IRAS são pouco descritas. Entretanto, em 1994 o Ministério da Saúde avaliou a magnitude das IRAS em 99 hospitais terciários vinculados ao Sistema Único de Saúde (SUS) e localizados nas capitais brasileiras, onde se observou uma taxa de 13,0% de infecções entre os pacientes hospitalizados. O presente estudo teve como objetivo descrever a incidência de infecções causadas por bactérias gram-negativas produtoras de carbapenemase em um hospital terciário de Goiânia-Go. Foram utilizados para cultivo dos espécimes clínicos obtidos dos pacientes internalizados, caldo BHI, ágar sangue e CLED enquanto que para o subcultivo utilizou-se ágar MacConkey, os isolados foram identificados e o antibiograma realizado por um sistema automatizado. Os microrganismos de maior incidência foram, Acinetobacter baumannii, Klebsiella pneumoniae e Pseudomonas aeruginosa, isolados principalmente das UTI’s e clínica médica, sendo os espécimes clínicos mais frequentes: secreção traqueal, pele, urina e ponta de cateter. O conhecimento desse perfil epidemiológico é útil para a adoção de medidas rigorosas de prevenção e controle de disseminação, bem como a implementação de precauções de contato e tratamento adequado.

Palavras-chave


Infecção bacteriana. Saúde. Enterobactérias. Hospital.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. P. & BEHAR, P. R. P. 2013. Infecções hospitalares por enterobactérias produtoras de KPC em um hospital terciário do sul do Brasil. Revista da AMRIGS 57(3):213-218.

BORGES, F. K., MORAES, T. A., DREBES, C. V. E., SILVA, AL. T., CASSOL, R. & FALCI, D. R. 2015. Perfil dos pacientes colonizados por enterobactérias produtoras de KPC em hospital terciário de Porto Alegre, Brasil. Clinical Biomedical Reserch 35(1):20-26.

BUSH, K. & JACOBY, G. A. 2010. Updated functional classification of β-lactamases. Antimicrob Agents Chemother 54(3):969-976.

BRASIL, AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). 2013. NOTA TÉCNICA Nº 01/2013. Medidas de prevenção e controle de infecções por enterobactérias multirresistentes – Brasília – 2013. Acesso em 05/07/2014. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/271858/Nota+t%C3%A9cnica+n%C2%BA+01+de+2013/5be89853-7eca-4b4b-98e4-5096b9f5a2ec

CHROMA, M. & KOLAR, M. 2010. Genetic methods for detection of antibiotic resistance: focus on extended-spectrum β-lactamases. Biomedical Papers of the Medical Faculty of Palacky University, Olomouc, Czech 154(4):289-296.

DAL-BÓ, K., SILVA, R. M. & SAKAE, T. M. 2012. Infecção hospitalar em uma unidade de terapia intensiva neonatal do Sul do Brasil. Revista Brasileira de Terapia Intensiva 24(4):381-385.

DECLOUR, A. 2009. Outer membrane permeability and antibiotic resistance. Biochim Biophys Acta 1794(5):808-816.

DEL FIO, F. S., MATTOS FILHO, T. R. & GROPPO, F. C. 2000. Resistência bacteriana. Revista Brasileira de Medicina, Rio de Janeiro 57(10):1129-1140.

DE LAVELEYE, M., HUANG, TE-DIN., BOGAERTS, PIERRE., BERHIN, C., BAURAING, C., SACRÉ, P., NOEL, A. & GLUPCZYNSKI, GERALD. 2016. Increasing incidence of carbapenemase-producing Escherichia coli and Klebsiella pneumoniae in Belgian hospitals. European Journal of Clinical Microbiology & Infectious Diseases 36(1):139-146.

DZIDIC, S., SUSKOVIC, J. & KOS, B. 2008. Antibiotic resistance mechanisms in bacteria: Biochemical and genetic aspects. Food Technology Biotechnology 46(1):11-21.

FERREIRA, H. & PERES LALA, E. R. 2010. Pseudomonas aeruginosa: um alerta aos profissionais de saúde. Revista Panamericana de Infectologia 12(2):44-50.

LEISER, J. J., TOGNIM, M. C. B. & BEDENDO, J. 2007. Infecções hospitalares em um centro de terapia intensiva de um hospital de ensino no Norte do Paraná. Ciência, Cuidado e Saúde 6(2):181-186.

MARTINS, A. F. & BARTH, A. L. 2013. Acinetobacter multirresistente – um desafio para a saúde pública. Scientia Medica, Porto Alegre 23(1):56-62.

NEVES, P. R., MAMIZUKA, E. M., LEVY, C. E. & LINCOPAN, N. 2011. Pseudomonas aeruginosa multirresistente: um problema endêmico no Brasil. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial 47(4):409-420.

OLIVEIRA, A. C., DAMASCENO, Q. S. & RIBEIRO S. M. C. P. 2009. Infecções relacionadas à assistência em saúde: desafios para a prevenção e controle. Revista Mineira de Enfermagem 13(3):445-450.

PATERSON, D. L. 2006. Resistance in gram negative bacteria: Enterobacteriaceae. American Journal of Infection Control 119:20-28.

PERNA, T. D. G. S., PUIATTI, M. A., PERNA, D. H., PEREIRA, N. M. M., COURI, M. G. & FERREIRA, C. M. D. 2015. Prevalência de infecção hospitalar pela bactéria do gênero klebsiella em uma unidade de terapia intensiva. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica 13(2):119-23.

REIS, H. P. L. C., VIEIRA, J. B., MAGALHAES, D. P., SARTORI, D. P., FONSECA, D. B., VIANA, J. M. & CUNHA, F. A. 2013. Avaliação da resistência microbiana em hospitais privados de Fortaleza - Ceará. Revista Brasileira de Farmácia 94(1):83-87.

RODRIGUES, P. L., ALVES, P. H. & BARTH, A. L. 2015. Incidência de infecções por enterobactérias resistentes a carbapenêmicos em pacientes previamente colonizados. Clinical and Biomedical Research 35(3):134-140.

ROSSI, F. & ANDREAZZI, D. B. 2005. Resistência Bacteriana: Interpretando o antibiograma. Ed Atheneu, São Paulo. 118p.

SANTOS, S. O., BREZOLIN, D. & HÖRNER, R. 2014. Acinetobacter spp. e Pseudomonas aeruginosa resistentes aos carbapenêmicos no hospital universitário de Santa Maria, Rio Grande do Sul. Scientia Medica 24(2):150-155.

SATLIN, M. J. COHEN N., MA K. C., GEDRIMAITE Z., SOAVE R., ASKIN G., CHEN L., KREISWIRTH B. N., WALSH T. J. & SEO S. K. 2016. Bacteremia due to carbapenem-resistant Enterobacteriaceae in neutropenic patients with hematologic malignancies. Journal of Infection 73(4):336-45.

SEIBERT, G., HORNER, R., MENEGHETTI, B. H., RIGHI, R. A., DAL FORNO, N. L. F. & SALLA, A. 2014. Infecções hospitalares por enterobactérias produtoras de Klebsiella pneumoniae carbapenemase em um hospital escola. Einstein 12(3):282-6.

SOUZA, E. S., BELEI, R. A., CARRILHO, C. M. D. M., MATSUO, T., YAMADA-OGATTA, S. F., ANDRADE, G., PERUGINI, M. R. E., PIERI, F. M., DESSUNTI, E. M. & KERBAUY, G. 2015. Mortalidade e riscos associados a infecção relacionada à assistência à saúde. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis 24(1):220-8.

TEO, J. Q. M., CAI, Y., LIM, TP., TONG TAN, T. & KWA, A. LH. 2016. Carbapenem resistance in gram-negative bacteria: The not-so-little problem in the little red dot. Microorganisms 4(1):13.

TORTORA, G. J., FUNKE, B. R. & CASE, C. L. 2012. Microbiologia. 10ª ed. Artmed, São Paulo. 934p.

VILLEGAS, M. V., PALLARES, C. J., ESCANDÓN-VARGAS, K., HERNÁNDEZ-GÓMEZ, C., CORREA, A., ÁLVAREZ, C., ROSSO, F., MATTA, L., LUNA, C., ZURITA, J., MEJÍA-VILLATORO, C., RODRÍGUEZ-NORIEGA, E., SEAS, C., CORTESÍA, M., GUZMÁN-SUÁREZ, A. & GUZMÁN-BLANCO, M. 2016. Characterization and clinical impact of bloodstream infection caused by carbapenemase-producing Enterobacteriaceae in seven latin american countries. Plos One 11(4).

WANG, Q., ZHANG, Y., YAO, X., XIAN, H., LIU, Y., LI, H., CHEN, H., WANG, X., WANG, R., ZHAO, C., CAO, B. & WANG, H. 2016. Risk factors and clinical outcomes for carbapenem-resistant Enterobacteriaceae nosocomial infections. European Journal of Clinical Microbiology & Infectious Diseases 35(10):1679–89.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/evs.v45i1.5494

Rodapé - Educativa
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EVS | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-781X | Qualis B3

Visitantes - (01/01/2006 - 18/06/2019)
País Usuários
Brasil 41.141
Estados Unidos 1.230
Portugal 706
França 246
Moçambique 170
Angola 118
Reino Unido 58
Espanha 50
Chile 41
Total 44.462

Fonte: Google Analytics.