Movimento de ocupação de escolas públicas-jovens estudantes contra a gestão da escola pública por organizações sociais

José Maria Baldino, Felipe Silva de Freitas

Resumo


Resumo: O presente artigo integra os estudos temáticos do Colóquio Internacional “Cultura e Poder em tempos de (Des) Humanização, abordando os Movimentos Sociais Contemporâneos. Conferimos relevância política e teórica para o campo de estudos na área de educação, registrar e problematizar o Movimento de Ocupação das Escolas Públicas, de luta e resistência à política governamental goiana de terceirizar, transferir a gestão das escolas públicas para Organizações Sociais- OS. As análises se aportaram nas contribuições teóricas da sociologia associadas a uma entrevista aprofundada com um Jovem participante da primeira geração de Ocupação em Goiás,especificamente na cidade Anápolis- Goiás.No campo de estudos da educação-história-cultura, recorrer à categoria da memória diante de um objeto temático novo,móvel,que se renova e amplia, diante de novas agendas e demandas políticas, significa acreditar nas possibilidades explicativas para apreender analiticamente desse movimento, sua natureza, objetivos, forma de organização,estratégias políticas,confrontos com a polícia, prisões,desafios e conquistas.

Palavras-chave: Movimentos Sociais, Ocupação de Escolas, Educação Pública.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/educ.v19i3.5457

Direitos autorais 2017 José Maria Baldino, Felipe Silva de Freitas

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EDUCATIVA | Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7771 | Qualis B1

Flag Counter