Do Brincar Com Jogos Digitais ao Brincar Para Jogos Digitais em Comunidades de Prática

Georgia Daniella Feitosa de Araújo Ribeiro, Flávia Mendes de Andrade e Peres

Resumo


Resumo: Este artigo aborda algumas implicações de práticas sociais para o desenvolvimento de jogos digitais na educação infantil, com a participação de crianças e de suas culturas infantis ao longo do processo de desenvolvimento. Fundamenta-se em categorias epistemológicas centrais, as quais se relacionam com: Cognição/Aprendizagem Situada e Comunidades de Prática; Culturas Infantis/ Culturas de Pares; Design Participativo com crianças. Desse modo, são tecidas reflexões sobre as consequências de uma mudança de paradigma na educação formal escolar (especificamente educação infantil), em que à criança possa ser dada a possibilidade de criação de brinquedos típicos da contemporaneidade, realçando seu lugar de atores sociais.

Palavras-chave: Jogos digitais; Comunidades de Prática; Infância

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/educ.v19i1.5015

Direitos autorais 2016 Georgia Daniella Feitosa de Araújo Ribeiro, Flávia Mendes de Andrade e Peres

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EDUCATIVA | Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7771 | Qualis B1

Visitantes - (01/01/2006 - 20/11/2018)
País Usuários
Brasil 15.020 - 90,19%
Estados Unidos 395 - 2,37%
França 284 - 1,71%
Portugal 214 - 1,29%
Moçambique 112 - 0,67%
Angola 106 - 0,64%
Espanha 48 - 0,29%
Reino Unido 47 - 0,28%
Alemanha 32 - 0,19%
Total 16.577

Fonte: Google Analytics