Brincar e Aprender em Hospitais: enfrentamento da doença na infância

Milene Bartolomei Silva, Ordália Alves de Almeida

Resumo


Resumo: Esta pesquisa aborda o brincar de crianças internadas no contexto hospitalar, nas chamadas classes hospitalares. Como processo investigativo, recorreremos à abordagem qualitativa, com o objetivo de refletir na função e nos benefícios que a brincadeira oferece. Foi nossa intenção verificar in loco como essas crianças têm aproveitamento pedagógico com o uso da brincadeira durante o seu tratamento e qual o seu impacto para o desenvolvimento cognitivo, pois parte-se do pressuposto de que, no contexto hospitalar, a brincadeira surge como dispositivo que auxilia as crianças a superarem as inconveniências de seu estado de saúde e a aproveitarem melhor o período do tratamento, tornando a permanência no hospital mais agradável e descontraída.

Palavras-chave: Brincar. Aprendizagem. Classes hospitalares.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/educ.v19i1.5014

Direitos autorais 2016 Milene Bartolomei Silva, Ordália Alves de Almeida

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EDUCATIVA | Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7771 | Qualis B1

Visitantes - (01/01/2006 - 20/11/2018)
País Usuários
Brasil 15.020 - 90,19%
Estados Unidos 395 - 2,37%
França 284 - 1,71%
Portugal 214 - 1,29%
Moçambique 112 - 0,67%
Angola 106 - 0,64%
Espanha 48 - 0,29%
Reino Unido 47 - 0,28%
Alemanha 32 - 0,19%
Total 16.577

Fonte: Google Analytics