Meu Mal, Meu Bem, Meu Zen: o individuo(alismo) moderno como um desafio à s teodicéias

Carolina Teles Lemos

Resumo


O presente texto apresenta uma análise sociológica da percepção do mal na atualidade. Visamos descobrir qual compreensão do mal se faz presente no imaginário das pessoas e como as pessoas experienciam e resolvem os seus males. Partimos do pressuposto de que, para as pessoas, o bem é a vida longa e plena. a garantia desse bem que as pessoas buscam permanentemente na religião. Sendo assim, quando os crentes percebem uma grande discrepância entre a promessa de garantia desse bem e a experiência cotidiana do mal, faz-se necessário uma explicação plausível para tal fenômeno. Perguntamo-nos, então: que reivindicações estão subjacentes à s concepções do mal destacadas pelas pessoas entrevistadas? Estariam as tradicionais teodicéias se ressignificando? Que teodicéias estão respondendo melhor à  questão do mal na atualidade?

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/cam.v6i1.927

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Rodapé - Caminhos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


CAMINHOS | Revista do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-778X | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (09/03/2016 - 10/03/2020)

Fonte: Google Analytics.