RELIGIÃO E LITERATURA SAGRADA: MATRIZES TEÓRICAS E TRAJETÓRIAS HERMENÊUTICAS

Haroldo Reimer, Joel Antônio Ferreira, Valmor da Silva

Resumo


Este artigo resgata alguns aspectos da trajetória da linha de pesquisa “Religião e Literatura Sagrada” do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião da PUC-Goiás, na comemoração dos seus vinte anos, completados em 2019. Aborda os fundamentos teóricos da literatura sagrada das religiões e os aplica à pesquisa prática desenvolvida ao longo desse período. Concentra-se mais especificamente sobre a Bíblia Sagrada, o livro de maior referência cultural e religiosa na tradição do povo brasileiro. Estabelece como ponto de referência a exegese e a hermenêutica, como fundamentação metodológica própria para análise dos textos sagrados e, no caso específico, dos textos bíblicos. Objetiva estabelecer a relação entre os aspectos teóricos, expressos como principais tendências mundiais, e a pesquisa praticada por docentes e discentes do Programa, que inclui os níveis de mestrado, doutorado e pós-doutorado. Metodologicamente, se apresenta como pesquisa teórica, bibliográfica, e se espelha nos projetos de pesquisa executados. Conclui-se pela importância de bons fundamentos hermenêuticos, para a correta compreensão, interpretação e comunicação do conteúdo dos textos sagrados.

Palavras-chave


Exegese; Hermenêutica; Literatura Sagrada.

Texto completo:

PDF

Referências


ARMSTRONG, Karen. Em nome de Deus: os fundamentalismos no judaísmo, cristianismo e islamismo. Rio de Janeiro: Cia das Letras, 2001.

BLEICHER, Josef. Hermenêutica contemporânea. Lisboa: Edições 70, 1997.

BOFF, Leonardo. A águia e a galinha. Petrópolis: Vozes, 1997.

CHUECAS, Ignacio. Tendencias actuales en los estudios del Antiguo Testamento. Desafíos y oportunidades. Teología y Vida, Santiago, v. 53, n. 1-2, p. 9-24, 2012. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/pdf/tv/v53n1-2/art01.pdf Acesso em: 28 fev. 2020.

CROATTO, J. Severino. As linguagens da experiência religiosa: uma introdução à fenomenologia da religião. São Paulo: Paulinas, 2001.

CRÜSEMANN, Marlene; RICHTER REIMER, Ivoni. Igrejas Domésticas: lugar de acolhida, partilha e celebração na casa de mulheres. Caminhos, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 179-190, 2016. Disponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/caminhos/article/view/4835/2701.

DREHER, Martin N. Fundamentalismo. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2002.

ECO, Umberto. Interpretação e superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

ECO, Umberto. Os limites da interpretação. Tradução: P. de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 1995.

FERREIRA, Joel Antônio. Paulo, Jesus e os marginalizados: leitura conflitual do Novo Testamento. Goiânia: Editora da UCG, 2011.

FITZMYER, Joseph A. A interpretação da Escritura: em defesa do método histórico-crítico. São Paulo: Loyola, 2011.

GADAMER, Hans Georg. Verdade e método. Petrópolis: Vozes, 1994. V. 1.

GADAMER, Hans Georg. Verdade e método II. Complemento e índice. Petrópolis: Vozes; Bragança: Universidade São Francisco, 2002.

GEBARA, Ivone. Teologia Ecofeminista: ensaio para repensar o conhecimento e a religião. São Paulo: Olho d’Água, 1997.

GNILKA, Joachim. Bíblia e Alcorão: o que os une – o que os separa. São Paulo: Loyola, 2006.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo (Parte I). 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1988.

KAEFER, José Ademar. A Bíblia, a arqueologia e a história de Israel e Judá. São Paulo: Paulus, 2015.

KOESTER, Helmut. Introdução ao Novo Testamento. 2 volumes. São Paulo: Paulus, 2005.

MESTERS, Carlos. Por trás das Palavras. Petrópolis: Vozes, 3. ed., 1977.

PINTO, Paulo Mendes (Coord.). Religiões: história, textos, tradições. Lisboa: Religare/Paulinas, 2006.

PIXLEY, Jorge. A história de Israel a partir dos pobres. Tradução: Ramiro Mincato. 11 ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

REIMER, Haroldo. Toda a criação: Bíblia e ecologia. São Leopoldo: Oikos, 2006.

REIMER, Haroldo; RICHTER REIMER, Ivoni. À luz da crítica histórica: sobre o método histórico-crítico no estudo da Bíblia. Estudos Teológicos, São Leopoldo, v. 59, n. 2, p. 384-396, jul./dez. 2019.

RIBEIRO, Osvaldo Luiz. Viver hermeneuticamente no mundo: pragmática como ação humana intencional e situada. Caminhos, Goiânia, v. 7, n. 1, p. 105-120, jan./jun. 2009. Disponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/caminhos/article/view/1199/845. Acesso em: 15 set. 2019.

RICHTER REIMER, Ivoni. Grava-me como selo sobre o teu coração: teologia bíblica feminista. São Paulo: Paulinas, 2005. (Coleção Bíblia em Comunidade; Série Teologias Bíblicas, v. 8).

RICHTER REIMER, Ivoni. Maria, Jesus e Paulo com as mulheres: textos, interpretações e história. São Paulo: Paulus, 2013.

RICHTER REIMER, Ivoni. Santa Praxedes: uma Jovem com Funções Eclesiais e Sociais em Roma. Goiânia: Ed. da PUC, 2016.

RICOEUR, P. Conflito de interpretações: ensaios sobre hermenêutica. Rio de Janeiro: Imago, 1978.

RICOEUR, Paul. Ensaios sobre a interpretação bíblica. Tradução: José Carlos Bento. São Paulo: Fonte Editorial; Novo Século, 2004.

SCHLEIERMACHER, F. Hermenêutica: arte e técnica da interpretação. 5 ed. Tradução: Celso Renida Braida. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2006.

SCHOTTROFF, Luise; SCHROER, Silvia; WACKER, Marie-Theres. Exegese Feminista: Resultados de Pesquisas Bíblicas a partir da Perspectiva de Mulheres. Tradução: Monika Ottermann. São Leopoldo: Sinodal/EST; CEBI; São Paulo: ASTE, 2008.

SCHÜSSLER FIORENZA, Elisabeth. As Origens Cristãs a partir da Mulher: uma nova Hermenêutica. Tradução: João Rezende Costa. São Paulo: Paulinas, 1992.

SCHÜSSLER FIORENZA, Elisabeth. Caminhos da Sabedoria: uma Introdução à Interpretação Bíblica Feminista. Tradução: Monika Ottermann. São Bernardo do Campo: NhandutiEditora, 2009.

SCHWANTES, Milton. O êxodo como evento exemplar. Estudos Bíblicos, Petrópolis; São Leopoldo, n. 16, p. 9-17, 1988.

SCHWANTES, Milton. História de Israel: local e origens. 3. ed. São Leopoldo: Oikos, 2008.

SILVA, Rosemary Francisca Neves. O Servo de Yhwh: uma análise de Isaías 42,1-4. Caminhos, Goiânia, v. 15, p. 268-278, 2017.

SILVA, Valmor da. O caminho da justiça na sabedoria dos provérbios. São Paulo: Paulus, 2018.

SIMIAN-YOFRE, Horácio (Coord.). Metodologia do Antigo Testamento. São Paulo: Loyola, 2000. (Coleção Bíblica Loyola, 28).

STRÖHER, Marga J.; DEIFELT, Wanda; MUSSKOPF, André S. (Orgs.). À Flor da Pele: ensaios sobre Gênero e Corporeidade. São Leopoldo: Sinodal/EST; CEBI, 2004.

VASCONCELLOS, Pedro Lima; SILVA, Valmor da. Caminhos da Bíblia: uma história do povo de Deus. São Paulo: Paulinas, 2003.

VOLKMANN, Martin; DOBBERAHN, Friedrich Erich; CÉSAR, Ely Éser Barreto. Método Histórico-crítico. São Paulo: CEDI, 1992.

WEGNER, Uwe. Exegese do Novo Testamento: manual de metodologia. São Leopoldo/São Paulo: Sinodal/Paulus, 2001.

ZABATIERO, Júlio. Manual de exegese. São Paulo: Hagnos, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/cam.v18i4.8112

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Haroldo Reimer, Joel Antonio Ferreira, Valmor da Silva

Rodapé - Caminhos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


CAMINHOS | Revista do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-778X | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (09/03/2016 - 10/03/2020)

Fonte: Google Analytics.