MULHERES EVANGÉLICAS E VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: O QUE O PODER PÚBLICO E A IGREJA TÊM A VER COM ISSO?

Sandra Duarte de Souza, Claudia Poleti Oshiro

Resumo


O aumento do contingente de mulheres que se declaram evangélicas, por si só tem sido objeto de pesquisas que visam compreender a dinâmica religiosa brasileira, porém, o aumento do número de mulheres evangélicas que declaram terem sido agredidas por seus parceiros ainda carece de mais atenção de pesquisadoras e pesquisadores que trabalham sobre a violência doméstica. Dependendo do nível de envolvimento das mulheres evangélicas com a Igreja, esta pode desempenhar papel fundamental para a permanência ou para a ruptura de suas “fiéis” com casamentos violentos. Essa constatação gerou nosso interesse pela escuta de mulheres evangélicas em situação de violência e também de autores de violência, visando trazer à tona as formas como ambos compreendem as relações de dominação que se tecem no âmbito doméstico, e a possível influência de sua confissão de fé no processo de perpetuação ou de ruptura com o ciclo de violência. A pesquisa envolveu a escuta de oito mulheres pentecostais em dois grupos focais e também entrevistas com quatro homens autores de violência.

EVANGELICAL WOMEN AND DOMESTIC VIOLENCE: WHAT THE GOVERNMENT AND THE CHURCH HAVE TO DO WITH IT?
in recente decades, the increase of the quota of women who declare being Evangelical has been the subject of research aimed at understanding the Brazilian religious dynamic, however, the increase in the number of Evangelical women who claim to have been assaulted by their partners still needs more attention from researchers working on domestic violence. Depending on the level of involvement of Evangelical women with Church, this women can play a fundamental role for the permanence or for the break of its "faithful" with violent marriages. This finding raised our interest in listening Evangelical women in violence situation and perpetrators of violence, in order to bring to light the ways both understand the relations of domination that weave in the household, and the possible influence of your confession of faith in the process of perpetuation or break from the cycle of violence. The research involved eight Pentecostal women listening in two focus groups and also interviews with four men perpetrators of violence.

Palavras-chave


Violência Doméstica; Mulheres Evangélicas; Igreja; Desigualdade de Gênero; Domestic Violence; Evangelical Women; Church; Gender Inequality.

Texto completo:

PDF

Referências


AGREDIDAS em nome de Deus. Jornal da Tarde. São Paulo, 08 de março de 2006.

ARENDT, Hanna. Sobre a Violência. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

BORGES, Thais. Sofrendo em silêncio: Evangélicas são as que mais buscam o Loreta Valadares por violência doméstica. Salvador. Correio, 2017. Disponível em: https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sofrendo-em-silencio-evangelicas-sao-as-que-mais-buscam-o-loreta-valadares-por-violencia-domestica/ Acesso em: 04 maio 2018.

CORTES, Gisele Rocha. Centro de Referência da Mulher: violência contra as mulheres e informação. InterScientia, João Pessoa, v. 2, n. 3, p. 99-119, set./dez. 2014.

GEBARA, Ivone. Mulheres, religião e poder: ensaios feministas. São Paulo: Terceira Via, 2017.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; CENSO 2010. Disponível: http://censo2010.ibge.gov.br Acesso em: 27 maio 2018.

LEITE, F.M.C.; AMORIM, M.H.C.; WEHRMEISTER, F.C.; GIGANTE, D.P. Violência contra a mulher em Vitória, Espírito Santo, Brasil. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 51, n. 33, p. 1-12, 2017.

MACHADO, Maria das Dores; MARIZ, Cecília. “Mulheres e prática religiosa nas classes populares: uma comparação entre as igrejas pentecostais, as Comunidades Eclesiais de Base e os grupos carismáticos”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 12, n. 34, p. 71-87, 1997.

MACHADO, Maria das Dores Campos. Carismáticos e Pentecostais: adesão religiosa na esfera familiar. Campinas São Paulo: ANPOCS, 1996.

ONUBR. ONU: 16 fatos sobre desigualdades entre homens e mulheres. Publicado em 30 de novembro de 2017. Disponível em:

https://nacoesunidas.org/onu-16-fatos-sobre-desigualdades-entre-homens-e-mulheres/ Acesso em: 03 jun. 2018.

OSHIRO, Claudia Maria Poleti. Violência de Gênero e Religião: uma análise da influência do Cristianismo em relações familiares violentas a partir de mulheres acolhidas nas Casas Abrigo Regional Grande ABC e de homens autores de violência doméstica. 2017. Dissertação (Ciências da Religião) - Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo.

SAFFIOTI, Heleieth. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SCHÜSSLER FIORENZA, Elisabeth. Ties that bind. Domestic violence against women. In: MANANZAN, Mary John; ODUYOYE, Mercy Amba; TAMEZ, Elsa (Eds.). Women resisting violence. Spirituality for life. New York: Orbis Books, 1996. p. 39-55.

SOUZA, Sandra Duarte de. A casa, as mulheres e a igreja: violência doméstica e cristianismo. In: SOUZA, Sandra Duarte de; LEMOS, Carolina Teles. A casa, as mulheres e a igreja: relação de gênero e religião no contexto familiar. São Paulo: Fonte Editorial, 2009. p. 15-79.

SOUZA, Sandra Duarte de. Gênero e trânsito religioso entre mulheres e homens evangélicos no ABC Paulista. In: PERETTI, Clélia (Org.). Filosofia do gênero em face da Teologia. Curitiba: Champagnat – PUCPR, 2011. p. 251-273.

UNITED NATIONS. Report of the Fourth World Conference on Women. United Nations · New York, 1996. Disponível em: http://www.un.org/womenwatch/daw/beijing/pdf/Beijing%20full%20report%20E.pdf acesso em: 05 jul. 2018.

UN WOMEN. The Four Global Womens' Conferences 1975 - 1995:
Historical Perspective. Women 2000. Gender Equality, Development and Peace for the Twenty First Century. New York, 5-9 June 2000. Disponível em: http://www.un.org/womenwatch/daw/followup/session/presskit/hist.htm Acesso em: 05 jul. 2018.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015. Homicídio de Mulheres no Brasil. Brasília – DF – 2015. Disponível em: https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf Acesso em 03 jun. 2018.

WOODHEAD, Linda. Mulheres e gênero: uma estrutura teórica. Revista de Estudos da Religião. PUC SP, São Paulo, n. 1, ano 2, p. 1-12, 2002. Disponível em: http://www.pucsp.br/rever/rv1_2002/t_woodhe.htm Acesso em: 07/07/2018.

WORLD ECONOMIC FORUM. Global Gender Gap Report. Geneva. Switzerland, 2016. Disponível em: http://reports.weforum.org/global-gender-gap-report-2016/rankings/ Acesso em 05 jun. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/cam.v16i2.6730

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Sandra Duarte de Souza, Claudia Poleti Oshiro

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


CAMINHOS | Revista do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-778X | Qualis B1

Visitantes - (01/01/2006 - 05/11/2018)

País Usuários
Brasil 38.074 - 93,68%
Estados Unidos 751 - 1,85%
França 265 - 0,65%
Portugal 170 - 0,42%
Coréia do Sul 123 - 0,30%
Alemanha 83 - 0,20%
Reino Unido 80 - 0,20%
México 77 - 0,19%
Moçambique 66 - 0,16%
Total 39.689

Fonte: Google Analytics.