System of Beliefs as Imaginary in Wunenburger

Gilson Xavier de Azevedo, Carolina Teles Lemos

Resumo


Abstract: the present text aims analyze the question of belief system from concepts of imagery and representation. Your reference with the imaginary and representation is within the approach of Wunenburger, a French philosopher, specialist in studies on the representative imaginary. His work seeks an approximation with structuralist anthropology to analyze symbols and myths in their relations with rationalism in the world contemporary. Part of problem is that belief is a product of human imagination. The basic premise is think that the imaginary would indeed be the source of symbolic constructs of belief. It’s an analysis of one work of that author skewed by other quotes and points of view. It is hoped by this study to broaden the debate around the question of human beliefs and how they are built socially. Sistema de Crenças como Imaginário em Wunenburger Resumo: o presente texto tem por objetivo analisar a questão do sistema de crenças a partir dos conceitos de imaginário e representação. Referencia-se imaginário e representação, dentro da abordagem de Wunenburger, um filósofo francês, especialista em estudos sobre o imaginário representativo, sendo que, sua obra busca uma aproximação com a antropologia estruturalista para analisar símbolos e mitos nas suas relações com o racionalismo no mundo contemporâneo. Parte-se do problema de que a crença seria um produto do imaginário humano. A premissa básica é pensar que o imaginário seria de fato fonte das construções simbólicas da crença. Trata-se de uma análise de uma das obras do autor enviesada por outras citações e pontos de vista. Espera-se com esse estudo, ampliar o debate entorno da questão das crenças humanas e como estas se constroem socialmente.

Palavras-chave


Religion; Imaginary; System of Belief; Religião; Imaginário; Sistema de crenças;

Texto completo:

PDF

Referências


ABRIC, J.-C. L’étude expérimentale des représentations sociales. In: Jodelet, D. (dir.). Les représentations sociales. 4 ed. Paris, Presses Universitaires de France, 1994.

ANADON, M., MACHADO, P. B. Reflexões teórico-metodológicas sobre as representações sociais. Salvador, UNEB. 2001.

BÔAS, L. P. S. V. Teoria das representações sociais e o conceito de emoção: diálogos possíveis entre Serge Moscovici e Humberto Maturana. Psicol. educ., São Paulo, n. 19, dez. 2004. Disponível em . acessos em 25 maio 2014.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1975.

FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Representações sociais, ideologia e desenvolvimento da consciência. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 34, n. 121, Apr. 2004. Available from . acessos em 24 maio 2014.

JODELET, D. Représentations sociales: un domaine en expansion”. In: Jodelet, D. (dir.). Les représentations sociales. 4 ed. Paris, Presses Universitaires de France (Sociologie d’Aujourd’hui). 1994.

LAP LANTINE, F.; TRINDADE, L. O que é imaginário. São Paulo: Brasiliense , 1 9 97 .

LEVI-STRAUSS, C. Antropologia Estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1967.

MAFFESOLI, Michel. O imaginário é uma realidade. Revista FAMECOS. Porto Alegre, nº 15, agosto 2011, quadrimestral. Disponível em: . Acesso em 30/10/2013.

MALINOWSKI, Bronislaw. O Papel do Mito na Vida. In: DURHAM, Eunice Ribeiro. Malinowski. São Paulo: Ática, 1986.

MAZZOTTI, A. J. A. A Abordagem estrutural das representações sociais. Psicologia da Educação, São Paulo, PUC/SP, n. 14/15, p.17-37, 2002.

MOÑIVAS LAZARO, A. “Las representaciones sociales”. In: Naválon Vila, C. e Medina Tornero, M. E. M. et alii. Psicología y trabajo social. Barcelona, Promociones y Publicaciones Universitarias (Colección Maior, 18). 1993.

MONTEIRO, P. Da doença à desordem: a magia na Umbanda. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

OLIVEIRA, Elda Rizzo de. Doença, Cura e Benzedura: Um Estudo Sobre o Ofício da Benzedeira em Campinas. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, apresentada ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1983.

QUINTANA, Alberto Manuel. A Ciência da Benzedura: mau olhado, simpatias e uma pitada de psicanálise. Bauru: EDUSC, 1999.

SILVA, Luzia Batista de Oliveira. Cecília Meireles: imaginário, poesia e educação. SP: Terceira Margem, 2011.

SPINK, M. J. P. O conceito de representação social na abordagem psicossocial. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, set. 1993. Disponível em . acessos em 24 maio 2014.

WAGNER, W. (1998). “Sócio-gênese e características das representações sociais”. In: Moreira, A. S. P. e Oliveira, D. C. (org.). Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia, AB.

WEBER, M. The sociology of religion. London: Methuen, 1966.

WUNENBURGER, Jean-Jacques. As formas de expressão do imaginário e as estruturas paradoxais da linguagem simbólica das imagens. Tradução: Dr. Eduardo Portanova Barros. Unioeste. Vol. 8 nº 16 Jul./dez 2013 p. 311-319.

WUNENBURGER, Jean-Jacques. O imaginário. Trad. Maria Stela Gonçalves. SP: Loyola, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/cam.v15i2.6072

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Gilson Xavier de Azevedo

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


CAMINHOS | Revista do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-778X | Qualis B1

Visitantes

País Usuários (%) de Usuários
Brasil 35.562 93,66
Estados Unidos 659 1,74
França 262 0,69
Portugal 152 0,40
Coréia do Sul 117 0,31
Reino Unido 102 0,27
México 75 0,20
Alemanha 71 0,19
Indonésia 64 0,17
Total 38.342

Fonte: Google Analytics.