OPERACIONALIDADE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS SOBRE DROGAS NO PLANALTO NORTE CATARINENSE

Giselle Caroline Fuchs, Maria Luiza Milani

Resumo


A população do Planalto Norte Catarinense tem na sua história o uso de drogas como uma forma de lidar com as dificuldades do cotidiano, o mesmo aconteceu no mundo todo, uma vez que 5% da população mundial adulta usa alguma droga e com isso estima-se um gasto anual da 7% do PIB de um país para tratar as consequências do uso de drogas. Este artigo objetiva analisar a operacionalidade das politicas públicas e as implicações para saúde pública que o uso de drogas acarreta no Planalto Norte Catarinense. A pesquisa foi de natureza básica, quantitativa e qualitativa, como público alvo os Secretários Municipais de Saúde, gestores dos CAPS e das Comunidades Terapêuticas nos municípios de Canoinhas, Mafra e Porto União. O instrumento foi questionário fechado enviado pelo Google Forms. Com o desenvolvimento da pesquisa foi possível perceber a complexidade do tema e que a sociedade atual incentiva a exclusão do usuário de droga, estigmatizando-o e dificultando o processo de recuperação. Com isso é necessário repensar as crenças e a cultura envolta ao uso de drogas, buscando incluir o usuário nas decisões sobre o tratamento e no desenvolvimento de novas políticas públicas.

Palavras-chave


Drogas; Políticas Públicas; Desenvolvimento Regional.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. R. O homem contemporâneo e o uso de drogas: reflexões acerca das problemáticas sociais. Porto: O Portal dos Psicólogos, 2011.

ANDRADE, T. M.; ESPINHEIRA, C. G. A.; NOTO, A. R. A presença das bebidas alcoólicas e outras substâncias psicotrópicas na cultura brasileira. In: Curso SUPERA, São Paulo: Unifesp, 2018.

BRASIL. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990.

BRASIL.Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. A construção do SUS: histórias da Reforma Sanitária e do Processo Participativo. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL.Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Dispõe sobre a rede de atenção psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. 2011a

BRASIL. Portaria nº 336, de 19 de fevereiro de 2002. Estabelece os Centros de Atenção Psicossocial.

BRASIL.Decreto nº 7.179/2010, de 20 de maio de 2010. Institui o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas, cria o seu Comitê Gestor, e dá outras providências. Acessado em 06 de janeiro de 2019.

BRASIL.Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. Mais saúde: direito de todos. 2008-2011. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

CAIDEN, G.; CARAVANTE, G. Reconsideração do Conceito de Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Revista de administração pública, 16(1): 4-16, jan./mar. 1988.

CANOINHAS. Plano Municipal de Saúde 2014-2017. Secretaria Municipal de Saúde de Canoinhas, 2013.

CARNEIRO, H. Pequena Enciclopédia da História das Drogas e Bebidas. São Paulo: Elsevier, 2005.

CISA. Relatório Global sobre Álcool e Saúde- 2014. Disponível em: www.cisa.org.br/artigo/4429/relatorio-global-sobre-alcool-saude-2014.php. Acesso em: 14 mar. 2018.

COSTA, S. F. As Políticas públicas e as Comunidades Terapêuticas nos Atendimentos à Dependência Química. Londrina: UEL, 2009.

DAMACENA, G. N.; MALTA, D. C.; BOCCOLINI, C. S.; SOUZA JÚNIOR, P. R. B. de; ALMEIDA, W. S.; RIBEIRO, L. S.; SZWARCWALD, C. L. Consumo abusivo de álcool e envolvimento em acidentes de trânsito na população brasileira, 2013. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 12, p. 3777-3786, 2016.

DE LEON G. A Comunidade Terapêutica: Teoria, modelo e método. São Paulo: Loyola, 2003.

DIAS, M. A. B. Políticas públicaspara o combate às drogas no Brasil. Barbacena: Universidade Presidente Antônio Carlos – UNIPAC, 2012.

DIEHL, A.; CORDEIRO, D. C.; LARANJEIRA, R. (orgs.) Dependência química: prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed, 2019.

FERREIRA, H. V. C. Programa de desenvolvimento integrado e sustentável de mesorregiões: uma experiência inovadora de desenvolvimento regional do governo brasileiro. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA. Anais. Lisboa: Centro Latino-americano de Administración para del Desarrollo, 2002.

HART, C. Um Preço Muito Alto: a jornada de um neurocientista que desafia nossa visão sobre as drogas. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Indicadores IBGE - Principais destaques da evolução do mercado de trabalho nas regiões metropolitanas abrangidas pela pesquisa. Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre, 2012; disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/retrospectiva2003_2012.pdf. Acesso em: 22 nov. 2016.

LAGOA, T. e MORAES, T. Gastos do SUS com dependentes químicos chegam a R$ 9,1 bilhões em uma década. In: https://www.hojeemdia.com.br/primeiro-plano/gastos-do-sus-com-dependentes-qu%C3%ADmicos-chegam-a-r-9-1-bilh%C3%B5es-em-uma-d%C3%A9cada-1.440635. Belo Horizonte: Jornal Hoje em Dia, 2017. Acesso em: 23 jan. 2019.

LARANJEIRA, R.; MADRUGA, C.; PINSKY, I.; CAETANO R.; MITSUHIRO S. S. II Levantamento Nacional de Álcool e Drogas – consumo de álcool do Brasil: tendências entre 2006/2012. São Paulo: INPAD, 2013.

LARANJEIRA, R.; MELONI, J. N. Custo social e de saúde do consumo do álcool. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, 2004.

LARANJEIRA, R. Legalização de Drogas Ilícitas no Brasil – Em Busca da Racionalidade Perdida. 2010. In: SILVA, Gilberto Lucio da (org.) Drogas: políticas e práticas. São Paulo: Roca, 2010.

LIMONAD, E. Em busca do paraíso: algumas considerações sobre o desenvolvimento. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, Recife, v. 15, 2013.

LOPES, R. P. Universidade Pública e Desenvolvimento Local: uma abordagem a partir dos Gastos da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Dissertação (Mestrado em Economia) – UFBa, Salvador, 2001.

MARQUES, A. C. P. R. O Adolescente Usuário de Drogas Psicotrópicas no Brasil. 2010. In: SILVA, G. L. (org.). Drogas: políticas e práticas. São Paulo: Roca, 2010.

MORAES, E.; CAMPOS, G. M.; LARANJEIRA, R. Aspectos econômicos da dependência química. In: DIEHL, A.; CORDEIRO, D. C.; LARANJEIRA, R. (orgs.). Dependência química: prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed, 2019.

OUTHWAITE, W; BOTTOMORE, T; Dicionário do pensamento social do Século XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

SANTANA, P. R. O. H.; DIEHL, A. Politicas Públicas para o controle de álcool, tabaco e outras drogas. In: DIEHL, A.; CORDEIRO, D. C.; LARANJEIRA, R. (orgs.). Dependência química: prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed, 2019.

SILVA, G. L. Drogas x CAPS: encontrando os limites de ideais totalitários. In: ______. Drogas: politicas e práticas. São Paulo: Roca, 2010.

SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, 2006.

SUFFI, S. Desenvolvimento regional: uma abordagem através de cluster da saúde. Dissertação (Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção) – UFSC, Florianópolis, 2002.

TOMPOROSKI, A. A.; MARCHESAN, J. Planalto Norte Catarinense: algumas considerações sobre aspectos históricos, características físico-naturais e extrativismo. Canoinhas: Desenvolvimento Regional em debate, 2016.

UNITAD NATIONS OFFICE ON GRUGS AND CRIME – UNODC. Relatório Mundial sobre Drogas 2016. Disponível em: https://www.unodc.org/lpo-brazil/pt/drogas/relatorio-mundial-sobre-drogas.html. Acesso em: 21 nov. 2016.

VARGAS, E. V. Fármacos e outros objetos sócio-técnicos: notas para uma genealogia das drogas. In: LABATE, Beatriz Caiuby (orgs.). Drogas e cultura: novas perspectivas. Salvador: EDUFBA, 2008.

VIANA, A.; ELIAS, P. Saúde e desenvolvimento. Ciência e Saúde Coletiva, v. 12, p. 1765-1776, 2007. Suplemento.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/baru.v5i1.7343

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rodapé - Baru
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


BARU | Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos | Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da PUC Goiás | e-ISSN 2448-0460 | Qualis B4

Visitantes - (24/08/2017 - 21/10/2019)
País Usuários
Brasil 6.689
Estados Unidos 261
França 234
Portugal 83
Colombia 55
México 37
Iraque 35
Reino Unido 34
Argentina 29

Fonte: Google Analytics.