TERRITÓRIOS DA CIDADANIA CATARINENSES: ANÁLISE DOS INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Jociane Aparecida Jubanski, Reinaldo Knorek, Daniela Pedrassani

Resumo


A dinâmica de funcionamento da sociedade pós-industrial impõe um estilo de vida insustentável para o meio ambiente, conduzindo a grandes dívidas relacionadas a questões ecológicas, sociais, econômicas e culturais. Estas questões estão intimamente interligadas no processo de desenvolvimento sustentável. Assim, este artigo tem em seu escopo discussões sobre desenvolvimento sustentável e os programas de desenvolvimento territorial sustentável, em especial, o Programa Territórios da Cidadania. O objetivo da pesquisa foi analisar os indicadores de desenvolvimento sustentável nos Territórios da Cidadania Catarinenses. Para tal foi desenvolvida uma pesquisa aplicada, quantitativa, bibliográfica e documental. Quanto ao método de cálculo foi aplicada a interpolação linear simples e para análise de dados foi utilizado o método barômetro da sustentabilidade. Os resultados indicaram que os níveis de sustentabilidade dos dois territórios foram similares. O Território da Cidadania do Planalto Norte (TCPN) e o Território da Cidadania do Meio Oeste Contestado (TCMOC) foram classificados como nível intermediário para os subsistemas social, econômico e ambiental, nível insustentável para o subsistema institucional, índice de bem-estar humano potencialmente sustentável e; índice de bem-estar ecológico potencialmente insustentável. Conclui-se que nos Territórios da Cidadania Catarinenses, o fenômeno desenvolvimento está caminhando a passos lentos para sustentabilidade e, que os indicadores de desenvolvimento sustentável forneceram uma visão geral de que nesses territórios o crescimento, o progresso e consequentemente o desenvolvimento sustentável ocorrem de maneira lenta e insatisfatória.

Texto completo:

PDF

Referências


BATALHÃO, A. C. S. O barômetro da sustentabilidade como instrumento de acompanhamento do processo de desenvolvimento sustentável. Araraquara: Centro Universitário de Araraquara, 2013. 176 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente). Pós-graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, Centro Universitário de Araraquara, Araraquara, 2013.

BENETTI, L. B. Avaliação do índice de desenvolvimento sustentável (IDS) do município de Lages/SC através do método do painel de sustentabilidade. Tese (Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental). Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2017.

BRASIL. Decreto Presidencial de 25.02.2008. Institui o Programa Territórios da Cidadania e dá outras providências. 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Dnn/Dnn11503.htm. Acesso em: 15 abr. 2017.

BRASIL. Decreto Presidencial 24 de 03 de fevereiro de 2014. Disponível em: http://www.mma.gov.br/informma/item/576-decreto-presidencial-de-03-de-fevereiro-de-2004 Acesso em: 15 jan. 2018.

BRASIL. Agência IBGE notícias. IBGE divulga as estimativas populacionais dos municípios para 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2013-agencia-de-noticias/releases/16131-ibge-divulga-as-estimativas-populacionais-dos-municipios- para-2017.html Acesso em: 20 fev. 2018.

BRASIL. Agência IBGE notícias. Estimativas 2017 municípios. Disponível em:https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-detalhe-de- midia.html?view=mediaibge&catid=2103&id=1328. Acesso em: 20 fev. 2018.

COUTO, O. F. V. Geração de um índice de sustentabilidade ambiental para bacias hidrográficas em áreas urbanas através do emprego de técnicas integradas de geoprocessamento. 2007. Dissertação (Mestrado no Instituto de Geociências). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007.

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1987.

FRANCA, L. P. Indicadores ambientais urbanos: revisão da literatura. Parceria 21, 2001.

FROEHLICH, C. Sustentabilidade: dimensões e métodos de mensuração de resultados. DESENVOLVE: Revista de Gestão do Unilasalle, Canoas, v. 3, n. 2, p. 151-168, set. 2014.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico: 2010: famílias e domicílios: resultados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/pt/biblioteca- catalogo?view=detalhes&id=797. Acesso em: 03 dez. 2017.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores de Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94254.pdf. Acesso em: 05 mai. 2017.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE Cidades. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em 15 nov. 2017.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. MUNIC. Disponível em: https://munic.ibge.gov.br/sel_tema.php?periodo=2015&municipio=4200101&UF=42. Acesso em: 10 jan. 2018.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tendências demográficas no período de 1950/2000. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2000/tendencias_demogr aficas/comentarios.pdf. Acesso em: 13 jan. 2018.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/educacao/9127-pesquisa- nacional-por-amostra-de-domicilios.html?=&t=o-que-e. Acesso em: 10 jan. 2018.

JANNUZZI, P. M. Indicadores sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. 6. ed. Campinas: Alínea, 2017.

KEMERICH, P. D. C.; RITTER, L. G., BORBA, W. F. Indicadores de sustentabilidade ambiental: métodos e aplicações. Revista Monografias Ambientais. v. 13, n. 5, p. 3723-3736, 2014.

KNOREK, R.; LOCH, C. (Org). Território da cidadania em Santa Catarina: diagnósticos e estudos. Curitiba: CRV, 2016.

KRONEMBERGER, D. M. P. et al. Desenvolvimento Sustentável no Brasil: Uma análise a partir da aplicação do Barômetro da Sustentabilidade. Revista Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 20, n. 1, p. 25-50, 2008.

KRONEMBERGER, D. M. P.; CARVALHO, C. N.; CLEVELÁRIO JUNIOR, J. Indicadores de Sustentabilidade em Pequenas Bacias Hidrográficas: uma aplicação do “Barômetro da Sustentabilidade” à Bacia do Jurumirim (Angra dos Reis, RJ). Revista Geochimica Brasiliensis, São Paulo, v. 18, n. 2, 2004. p. 86-92.

LUCENA, A. D.; CAVALCANTE, J. N.; CÂNDIDO, G. A. Sustentabilidade do município de João Pessoa: uma aplicação do barômetro da sustentabilidade. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Taubaté, v.7, n.1, p. 19-49, jan./abr. 2011.

MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JR., A.; COUTINHO, S. M.V. Agenda 21 nacional e indicadores de desenvolvimento sustentável: contexto brasileiro. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 7-20, 2008.

MARZALL, K.; ALMEIDA, J. Parâmetros e indicadores de sustentabilidade na agricultura: limites, potencialidades e significado no contexto do desenvolvimento rural. Extensão Rural, n.5, p. 25-38, 1998.

Ministério do Desenvolvimento Agrário. Portal do MDA. Disponível em: https://www.mda.gov.br/. Acesso em: 17 jun. 2017.

Ministério do Meio Ambiente. Portal do MMA. Disponível em: http://www.mma.gov.br/informacoes-ambientais/indicadores-ambientais. Acesso em: 11 nov. 2017.

Ministério do Meio Ambiente. Padrões de qualidade do ar. Disponível em: http://www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis/qualidade-do-ar/padroes-de- qualidade-do-ar. Acesso em: 09 fev. 2018.

Ministério do Meio Ambiente. Portal do MMA. Agenda 21: global. Disponível em: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21/agenda- 21-global. Acesso em: 10 dez. 2017.

Ministério do Meio Ambiente. Portal do MMA. Agenda 21: brasileira. Disponível em: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda- 21/agenda-21-brasileira. Acesso em: 10 dez. 2017.

Ministério do Meio Ambiente. Portal do MMA. Agenda 21: local. Disponível em: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21/agenda- 21-local. Acesso em: 10 dez. 2017.

ODM. Disponível em: http://www.odmbrasil.gov.br/. Acesso em: 08 jan. 2018.

ONU. Organização Das Nações Unidas. Objetivos do milênio. 2000. Disponível em: http://www.objetivosdomilenio.org.br/ Acesso em: 10 jan. 2018.

ONU. Organização Das Nações Unidas. Relatório sobre os objetivos de desenvolvimento do milênio 2015. Disponível em: https://www.unric.org/pt/images/stories/2015/PDF/MDG2015_PT.pdf Acesso em: 12 jan. 2018.

ONU. Organização Das Nações Unidas. Perspectivas da população mundial: a revisão 2017. Disponível em: https://www.un.org/development/desa/publications/world-population-prospects-the- 2017-revision.html Acesso em: 05 jan. 2018.

ONUBR. Organização das Nações Unidas no Brasil. Agenda 2030. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/ Acesso em: 10. dez. 2017.

OMS. Organização Mundial Da Saúde. 2018 Disponível em: http://www.who.int/eportuguese/countries/bra/pt/ Acesso em: 27 jan. 2018.

PNUD. Atlas do desenvolvimento humano no Brasil. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/. Acesso em: 01 nov. 2017.

PORTAL DA CIDADANIA. Programa Territórios da Cidadania. Brasília, DF, 2015. Disponível em:http://www.territoriosdacidadania. gov.br/dotlrn/clubs/territriosrurais/one-community. Acesso em: 10 abr. 2017

PNUD. Desenvolvimento humano relatório 2016: desenvolvimento humano para todos. 2016. Disponível em: http://hdr.undp.org/sites/default/files/2016_human_development_report.pdf

Acesso em: 23 dez. 2017.

PRESCOTT-ALLEN, R. The wellbeing of nations: a country-by-country Index of quality of life and the environment. Washington: Island Press, 2001.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

VAN BELLEN, H. M. Desenvolvimento sustentável: uma descrição das principais ferramentas de avaliação. Revista Ambiente e Sociedade. v. 7, n. 1, p.67-87, 2004.

VAN BELLEN, H.M. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

VEIGA, J. E. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. 2 ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/baru.v5i1.7341

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rodapé - Baru
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


BARU | Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos | Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da PUC Goiás | e-ISSN 2448-0460 | Qualis B4

Visitantes - (24/08/2017 - 21/10/2019)
País Usuários
Brasil 6.689
Estados Unidos 261
França 234
Portugal 83
Colombia 55
México 37
Iraque 35
Reino Unido 34
Argentina 29

Fonte: Google Analytics.